8 setembro 2021

“Deus não existe!”

Estamos no mês de setembro, momento em que, em função do dia de São Jerônimo (30/9), celebramos o mês da Bíblia. É de São Jerônimo a frase: “Ignorar as Escrituras é ignorar a Cristo.” De fato, como diz São Paulo: “Toda Escritura é inspirada por Deus e é útil para ensinar, para argumentar, para corrigir, para educar conforme a justiça.”(2Tm 3,16) Porém toda a Escritura sempre deverá ser lida e interpretada com o mesmo Espírito com o qual ela foi escrita.

Desde a Reforma protestante do século XVI, sobretudo, a livre interpretação da Palavra de Deus tornou-se a regra para algumas comunidades cristãs. A Bíblia passou a ser lida fora da Igreja, ou seja, fora do ambiente no qual ela foi escrita. Assim, muitas divisões foram surgindo cada vez mais dentro da religião cristã, e hoje, em muitas esquinas de nossas cidades, percebemos as consequências desse erro.

Ler e interpretar a Sagrada Escritura fora de seu ambiente, sem o Espírito com o qual foi escrita, é um risco constante. Usar da Bíblia para construir uma doutrina própria é um grave pecado. Até um ateu poderia tomar a Palavra do próprio Deus para justificar seus dogmas, já que está escrito na Bíblia: “Deus não existe!”(Sl 9B,4; 13,1). É claro que basta ler um pouquinho mais e vamos encontrar: “O ímpio no seu luxo soberbo diz: “Ele não repara, “Deus não existe”, eis o que pensa”(Sl 9B, 4) e: “O insensato pensa: “Deus não existe!”(Sl 13,1)

E como não queremos ser ímpios, nem insensatos, cremos sim em Deus e com a Palavra podemos afirmar e anunciar: Deus existe! Tanto existe, que está vivo no meio de nós, também em sua Palavra, nos 73 livros da Sagrada Escritura, dos quais podemos nos alimentar todos os dias, especialmente na Santa missa. Que sempre mais cresçamos como amigos da Palavra de Deus, lendo-a com a Igreja e na Igreja. Que esse setembro nos ajude a aumentar nossa proximidade com a Escritura, conhecendo, amando, adorando e servindo cada vez mais o nosso Deus, único e verdadeiro.

Pe. Rafael Barbieri

[